Total de visualizações de página

Postagens populares

Follow by Email

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Nos último 1000 anos esses foram os Papas que renunciaram: Bento IX no ano de 1045, Gregório VI em 1046, diga-se de passagem este teve que sair após comprar os direitos ao pontificado vendido por aquele último, que se casara.Saiu após o mesmo se separar da mulher e voltar atrás reindicando o trono de São Pedro que ele entendia dele por direito. Outro que renunciou foi Celestino V o Papa que decretou que todos os Papas tem o direito de renunciar. O fez. Virou ermitão e foi preso e trancafiado em um castelo na Italia por seu sucessor onde veio a morrer 10 meses após o fato. O último Papa que renunciou, antes de Bento XVI, foi Gregório XII, que assim agindo pensava por um fim ao cisma que ameçava a igreja católica. Não deu certo e o catolicismo rachou nas disputas teológicas entre os anos de 1378 e 1417.
Acompanhei hoje pela manhã a cobertura via internet e televisão da renúncia de Bento XVI. Alguns amigos evangélicos não entenderam como um livre pensador que postula o ecumenismo pode se interesar tanto pela renúncia do lider maior da igreja católica. Simples, como  homem do meu tempo, mais, um professor e comunicólogo sou sensivel a um fato de grandes dimensões. Embora a muitos pareça prosaico. Não é. Bento XVI é, ou era, o lider maior de uma das três maiores religiões do planeta. Sua renúncia pode ser o prenúncio, não afirmo que seja, mas pode, de tempos muito conturbados para uma humanidade que se debate entre os rumos que deve seguir a partir desse novo milênio.
Ademais renuncias de Papas sempre ocorreram em situações de crise e  total solapamento da fé. E a fé é o que mantêm a sociedade de pé.
Para todos que de alguma forma acreditam que exista um Deus a nos guiar e que vela pela humanidade a renúncia do sumo pontificie do catolicismo é um hiato, um fato histórico. Nossa geração que viu uma virada de milênio e ficou frente à  frente com a possibilidade de guerras com armas tão letais como a bomba atômica e outras de maior calibre, que se quer temos noticias que existam, um fato que só teve  correospondencia a cerca de 600 anos atrás é, no minimo, um momento de grande relevo histórico.
Sem querer dar um ar apocaliptico a minhas palavras, espero mesmo que tal gesto represente apenas o ato de um religioso que prima por seguir os preceitos da sua consciência e que aquele que vira após ele cotinue o trabalho que a igreja católica, assim como qualquer instituição religiosa que se preze, se propoem a fazer que é trazer alento e paz a um mundo há muito tão conturbado.


Armando Barreto - Publisher do jornal e blog Novas Cidades.

Quem tem bala na agulha...


Denuncia sobre corrupção sempre atingiram a classe política. Dessa vez sobrou para o deputado federal Gabriel Challita que esta sendo acusado por um ex-assessor informal, segundo suas próprias palavras, de se locupletar com verbas destinadas a educação quando era secretario da pasta no governo de Geraldo Alckimin. O Cidadão, um certo analista de sistemas chamado Roberto Grobman apareceu na telinha e desceu o guatambu no deputado. Resta saber se é verdade os fatos que denunciou, se o tal tem mesmobala na agulhapara as acusações que esta fazendo. Segundo o assessor ele não fez a denuncia antes por medo de represarias, pois ele afirma que foi ameaçado e coagido, não deu nome aos bois ou seja, quem o ameçou.

O fato é que nossos amigos da política muitas vezes comentem o engano de seduzirem certas pessoas pelo brilho que emana do poder que almejam durante campanhas políticas e depois, por impossibilidade ou por negligência, deixam os correligionários de lado que, decepcionados, recorrem a expedientes de vingança como o que estamos vendo que é, diga-se de passagem, uma reprise barata de um filme visto várias vezes e, temos certeza, ainda veremos novamente. Não é diferente do caso de um cem números de esposas e amantes traídas que não pensaram duas vezes para denunciarem seus maridos e amantes por falcatruas cometidas durante seus mandatos ou administrações.

Não podemos afirmar se as denuncias que atingem o deputado é fruto de uma dessas vinganças. Cabe ao ministério publico investigar. Se constatadas e forem frutos de uma vingança tudo que podemos dizer é que pena que o ser humano não evoluiu nem um pouco em seus milênios de existência, pois tão culpados como aqueles a quem acobertaram são esses que resolveram denunciar os desmandos como uma forma de se vingarem por não terem tido a retribuição de que se achavam merecedores. Comportamentos dessa natureza aconteciam antes de Roma se tornar um império continental.

Se a “vendeta” for um estratagema da oposição para minar um futuro político brilhante como tem sido a carreira de Gabriel Challita o denunciante e seus comparsas devem pagar caro por suas calúnias e, termos certeza, seu maior castigo será a derrota nas urnas daqueles que orquestraram tal manobra.

Seja como for as denuncias tem que ser apuradas e os culpado penalizados por seus desvios de conduta. O povo brasileiro não pode mais conviver com situações de corrupção ou picuinhas políticas que minam as energias de nosso povo e de nossa juventude passivamente.

Ao final de tudo isso vamos ver quem tem culpa no cartório ou para ser mais atual, quem tem bala na agulha.
Gabriel Challita... Trama politica para conspurcar uma imagem acima de qualquer suspeita, ou...

sábado, 16 de fevereiro de 2013

PÉROLA NEGRA CAMPEÃO DO GRUPO DE ACESSO DO CARNAVAL 2013!

O Jornal e Blog Novas Cidades parabeniza a escola de samba da Vila Madalena Pérola Negra por sua volta ao grupo especial com o título de campeã do grupo de acesso do carnaval 2013. A escola que desfilou nesta sexta, 15, desfile das campeãs, trouxe para avenida as histórias e o bom humor de Ariano Suassuna, festejado escritor e dramaturgo e sua peça de maior sucesso o Auto da Compadecida. Contando com o excelente samba de nosso amigo Midras, a escola desfilou alegria e descontração. A sua diretoria e a ala dos compositores nossas congratatulações e nossos agradecimentos, pois quem ganha é a comunidade da Vila Madalena e toda zona oeste da cidade de São Paulo.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Feliz "ano novo"...

     Quarta feira, 13 de fevereiro de 2013. Para muitos o ano começa agora, pois é depois da festa de Momo que o Brasil desperta para a vida ou seja, para o cotidiano. Pena que minhas contas e a de muitos que assim pensam não pararam de chegar nestes 44 dias anteriores. De qualquer forma o ano "começa" com uma noticia bombástica que é a renuncia de Bento XVI, que fica no cargo de sumo pontifice da igreja católica até o próximo dia 28, quando sera substituido por outro, entre os postulantes temos um cardeal brasileiro, quem sabe...
Por outro lado o carnaval desse ano teve muita alegria e acidentes fatais como o que matou 4 pessoas e feriu 5 outras no desfile de Santos na última segunda feira, dia da renuncia de Bento. Assim 2013 vai "começando" de forma dramática e contundente. Vamos ver o que nos reserva os meses vindouros.
  A todos que nos seguem ou simplemente visitam nossas páginas nossos sinceros votos de um feliz e produtivo "ano novo".
E não deixem de ler a edição desse mês do jornal Novas Cidades, que circula nos faróis paulista nos próximos dias.
Até la´...

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Que venham os problemas, pois temos a solução.

Estive ontem na primeira sessão da Câmara Municipal de São Paulo que foi saudada com a presença do prefeito Fernando Haddad. Em clima de entusiasmo e otimismo o prefeito falou sobre suas propostas para São Paulo desejou boa sorte a todos os vereadores que iniciavam seus trabalhos e disse que conta com o apoio de todos para fazer uma administração a altura da maior cidade do hemisfério sul. Após suas palavras os lideres dos partidos pontuaram eles próprios suas propostas pessoais para o exercício de seus respectivos mandatos e dos colegas de partido que representam. Não faltou um bate boca quando alguem criticou a gestão do ex-prefeito Gilbeto Kassab, sobretudo com relalção a limpeza de boeiros e uso de verbas, seus correligionários sairam em sua defesa. Emfim entre mortos e feridos salvaram-se todos. Ao final da sessão uma reunião com as lideranças da casa, inócuo segundo informações, fechou a primeira das muitas sessões que ainda virão da casa de leis da cidade de São Paulo.
A novidade ficou por conta da visita que eu e a equipe da Novas Cidades fizemos ao nosso amigo e grande incentivador vereador Ricardo Nunes. Em conversa informal Ricardo falou sobre suas propostas, sobretudo na esfera social e deu o tom de seu mandato que deve ser o da objetividade e realização, " há muita conversa e pouca ação. São Paulo merece mais", declarou decidido o vereador que já durante seu pronunciamento no plenário havia pontuado incisivamente. A integra dessa entrevista você lê na próxima edição do jornal Novas Cidades.
A acrescentar apenas que um dos pontos mais destacados e que deve ser tema de grandes debates durante esse primeiro ano de novas legislaturas é a questão crucial da epidemia do uso de crack que toma conta da cidade. Internação compulsória e incentivo a implantação de centros para recuperação de dependentes assim como o endurecimento na politica de segurança pública no combate ao tráfico sem duvida deve fazer parte da pauta da maioria dos vereadores nesse 2013.
A todos os senhores vereadores que iniciaram seus trabalhos da maior importância para a população dessa megalopole, assim como ao prefeito Fernando Haddad nosso mais sinceros votos de um profícuo mandato para bem dessa imensa cidade que a todos acolhem.
Nessa edição do jornal Novas Cidades estaremos, além de uma entrevista elucidativa com um dos mais atuantes vereadores, foi dele o primeiro projeto protocolado nessa gestão que versa sobre a criação de um fundo municipal para a ampliação do transporte sobre trilhos, nosso amigo Ricardo Nunes, traremos uma análise dessa primeira sessão e do que se pode esperar para esse ano dessa nova safra de vereadores que deram o estarte para os trabalhos do legislativo nesse ano. Além, lógico de muita informação e prestação de serviço.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

A violência nossa de cada dia.

     Tenho me batido neste espaço a muito tempo por uma segurança mais efetiva na cidade de São Paulo e região, pois entendo que um dos orçamentos mais ricos do país não pode se debater com assassinatos e uma insegurança que grassa cada vez mais em nosso meio. Nós, mídia, temos nossa parcela de culpa ao banalizarmos atos que incentivam a pratica da agressão muitas vezes mascaradas sobre uma forma mais amena como o esporte, haja visto a febre das lutas extrememente violentas e que movimentam grande audiência como os vales tudo da vida e assim por diante. Senão é assim então vejamos:
Logo pela manhã ao ligarmos a televisão no primeiro telejornal do dia a noticia: Policial persegue ladrão e ao atirar para cima para intimidar o miliante atinge um morador do bairro que falava ao celular na janela de sua casa. Em outra feita um segurança de escolta discute com um transeute e dispara uma escopeta que atinge uma menina de 11 anos que havia ido a padaria comprar pão e biscoitos. Então nos perguntamos o que esta acontecendo?
Não são apenas motoqueiros a serviço do crime que nos pôem em perigo. Também aqueles que deveriam nos proteger não o fazem por incompetência, despreparo ou ignorância e a população ainda acalenta, pela TVs da vida, lutas e esporte que nos dizem que a violência e tolerável, desde que com algum próposito, no caso grandes bilheterias e aundiências.
A conclusão é simples: Tempos díficieis e uma mentalidade conduzida por interesses particulares nos levam a uma passividade diante dessa violência que rejeitamos mas que ao mesmo tempo diante da tela, seja para um filme de Stallone ou outro brutamontes neandertalesco, seja para vermos as noticias de assassinatos gratuitos ou mesmo para assistirmos uns campeões sei lá do que se esbofetearem dentro de uma arena enquanto alguns ganham fábulas, ja fazem parte do nosso dia a dia. A coisa só muda quando os atingidos somos nós ou alguém de nossa família, ai há choradeira e ranger de dentes. A violência, no entanto deve ser rejeitada em todas as suas expressões se não for assim não temos do que nos queixar e a tão propolada segurança nunca passara de mais um mercado no qual alguns ganham muito e muitos só ganham a satisfação de um instinto móbido até que a vítima sejamos nós mesmos.